Evolução Histórica da Farmácia: Do fim da farmácia galénica à implementação da farmácia química

Do ponto de vista da terapêutica, a grande inovação deste período, entre os séculos XVI e XVII, foi o aparecimento da farmácia química, que surgiu em oposição à farmácia tradicional, a galénica, baseada na utilização de substâncias de origem vegetal e animal.

Os medicamentos químicos foram introduzidos em resultado das teorias de Paracelso, da Iatroquímica e do desenvolvimento de técnicas que visavam obter princípios ativos puros, em oposição às misturas complexas obtidas nos preparados galénicos.

Os remédios químicos incluíam sais metálicos, principalmente de antimónio e mercúrio, e também substâncias medicamentosas obtidas por destilação de drogas vegetais. A farmácia química utilizava técnicas e instrumentos próprios, herdados do laboratório alquímico, da metalurgia e da contrastaria.

As novas drogas da época e a flora brasileira

O contributo dos portugueses para o conhecimento da matéria médica africana e brasileira ficou muito aquém do nível observado no Oriente. A matéria médica do Atlântico meridional despertou inicialmente pouco interesse entre os autores médicos portugueses, devendo-se a maior parte dos contributos para o seu conhecimento a colonos, missionários, militares e viajantes. Até ao século XVIII, além dos textos de leigos, os únicos contributos devem-se a médicos e naturalistas estrangeiros.

O jesuíta Pe. José de Anchieta, S.J. (1534-1597) escreveu uma relação sobre a matéria médica brasileira, descrevendo a ipecacuanha e outras plantas, numa carta de 1560. Foi seguido por um leigo, Gabriel Soares de Sousa (c. 1540-1592), senhor de engenho, vereador e bandeirante da Baía. A sua ‘Notícia do Brasil’ (c. 1587) inclui uma longa secção sobre plantas medicinais e sobre a medicina dos tupinambás. O texto de Soares de Sousa circulou amplamente na forma manuscrita, apesar de só ter sido publicado no início do século XIX. O tratado sobre o ‘Clima e Terra do Brasil’ de Fernão Cardim (1540-1625) tem igualmente um capítulo sobre ervas medicinais, onde descreve as propriedades de dezena e meia de plantas, entre as quais a ipecacuanha, o jaborandi, a copaíba e outras drogas.

O interesse pela flora médica brasileira por parte dos jesuítas deveu-se antes de mais a uma necessidade prática. A irregularidade nos fornecimentos de medicamentos levou-os a recorrer às drogas nativas, para manter a funcionar os serviços de saúde.

A história da entrada desta planta na literatura e na prática médicas ilustra bem a participação portuguesa no enriquecimento da proto-farmacologia seiscentista.

Apesar de conhecida, a ipecacuanha foi pouco utilizada até que Jean Adrien Helvetius (1661-1727) a usou para curar o Delfim de França de disenteria, em 1688.

No caso da ipecacuanha persistiram várias confusões e incertezas sobre a verdadeira natureza da raiz até que Bernardino António Gomes, depois de regressar do Brasil, a descreveu na Memória sobre a ipecacuanha fusca do Brasil ou cipó das nossas boticas (Lisboa, 1801), juntamente com a classificação feita por Brotero com base nas suas observações. O esclarecimento da natureza botânica da raiz veio permitir que Joseph Pelletier e o fisiologista François Magendie, em colaboração, isolassem o seu princípio ativo, a emetina, já só em 1817.

A terapêutica química

Do ponto de vista da terapêutica, a grande inovação deste período foi o aparecimento da farmácia química. Alguns medicamentos químicos, como o antimónio, já eram utilizados entre nós nos princípios do século XVII. Durante o Século XVII, o antimónio foi popularizado na forma de um remédio secreto, os ‘Pós de Quintílio’ e vieram instalar-se em Portugal vários químicos e destiladores, na sua maioria estrangeiros. O nobre D. João de Castelo Branco, que se tornou famoso como manipulador de medicamentos químicos, publicou dois livros sobre esse tema (1655 e 1656) e deixou um manuscrito de receitas químicas.

Apesar de todos estes desenvolvimentos, a utilização dos medicamentos químicos só foi aceite de forma pacífica pela comunidade médica portuguesa em finais do século, depois da campanha a seu favor movida pelo médico João Curvo Semedo (1635-1719).

 

Os primeiros livros

A aceitação dos medicamentos químicos refletiu-se na literatura farmacêutica, particularmente na 2ª edição da Farmacopeia Lusitana (1711), de D. Caetano de Santo António (?-1739), na Farmacopeia Ulissiponense (1716), de Vigier, e na Farmacopeia Tubalense (1735), de Manuel Rodrigues Coelho. A Farmacopeia Ulissiponense de João Vigier (1662-1723), um comerciante de drogas francês radicado em Lisboa desde finais do século XVII, embora em grande parte não passe de uma tradução do Cours de Chimie, de Nicolas Lémery, foi o primeiro livro editado em Portugal a incluir uma descrição do material e das técnicas da química farmacêutica.

Panel Heading

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui.