Herbários modernos e jardins botânicos | História da Farmácia

herbários e jardins botânicos

Herbários modernos e jardins botânicos

Para melhor compreender este tema, comecemos por uma contextualização teórica daquilo que é um herbário: os herbários são coleções biológicas nas quais consta material de referência para que seja possível identificar ou preservar plantas, fungos ou algas[1]. A sua importância, todavia, transcende a função de repositório, considerando que refletem contextos para além da esfera científica, espelhando políticas de desenvolvimento governamental, educacional e económico de um país. Os herbários são considerados importantes ferramentas no ensino e divulgação do conhecimento botânico, em vários contextos académicos e profissionais, servindo como um centro de documentação, bem como um depósito de dados de elevada relevância tanto para investigadores como cidadãos comuns.[2].

As herborizações, durante séculos, fizeram parte do programa curricular no ensino da botânica. Esta visível importância do tema levou a que surgissem jardins botânicos e cátedras universitárias, com finalidade académica e de investigação, bem como os primeiros didatas do tema. Exemplo disso é Pádua onde, em 1533, se reconhece o primeiro professor de botânica. É nesta mesma época que surgem várias obras essenciais, até hoje, nas quais se destacam: o médico e botânico alemão Otto Brunfels (1489-1534) com a obra “Herbarum vivae eicones” (1530); o médico e professor Leonhard Füchs (1501-1566) com a obra “De história stirpium” (1542), entre outros autores como William Turner (1508-1568), John Gerard (1545-1612), Rembert Dodoens (1516-1585) e Mathieu de l’Obel (1538-1616).

Numa perspetiva histórica e científica, os Herbários servem não só para investigação taxonómica e sistemática de temas como evolução, biodiversidade, conservação, ecologia ou alterações climáticas, como constituem, por si só, um objeto de estudo. É com este intuito – de cultivo e estudo, que surgem os primeiros jardins botânicos em várias cidades alemãs, italianas, holandesas e francesas, tendo sido essenciais para as farmácias locais, ao promover o estudo e fornecimento das espécies. Considerando as limitações da época, sazonais e geográficas, era um difícil desafio manter as plantas vivas para serem estudas, pelo que se recorreu à herborização – uma técnica difundida desde 1530, com o nome de hortus siccus.

Drogas e política

O Renascimento é opulento naquilo que é o processo intelectual e político do conhecimento botânico. A análise da obra de Dioscórides é fundamental na época, tendo como base a flora mediterrânica e drogas provenientes do Oriente, que atravessavam o mar e despertavam interesses, por exemplo dos protestantes alemães, por desejarem independência das matérias-primas da Europa católica do Sul (cidades estado italianas) que dominavam todo este comércio. Esta análise da obra é centralizada em Mattioli, e conta com uma rede informal do qual faziam parte farmacêuticos, botânicos, médicos, mercadores, viajantes e diplomatas, seguindo-se depois Praga e Innsbruck. Este grupo contou com colaborações como Luca Ghini (1490-1556), professor de botânica e fundador do jardim botânico de Pisa (1544), e Ulisse Aldrovandi (1524-1607), fundador do jardim de Bolonha (1568).

É possível assim compreender que os herbários modernos e os jardins botânicos foram, são e serão, essenciais na compreensão de assuntos de vários âmbitos, ao materializarem uma interconexão de temas, e ao promoverem uma aprendizagem globalizada, com consciência histórica e cívica.

 

[1]. Vieira, C. V., & Viegas, S. (2019). Os Herbários como recursos educativos dinâmicos e interdisciplinares. História da Ciência e Ensino: construindo interfaces, 20, 638-656.

[2]. H. L. Ballard, et al. “Contributions to Conservation Outcomes by Natural History Museum-Led Citizen

Science: Examining Evidence and Next Steps.” Biological Conservation 208 (2017/04/01/ 2017). 87

 

Panel Heading

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui.