A Matéria Médica no Renascimento | História da Farmácia

médica renascimento

A Matéria Médica no Renascimento

Dioscórides

Da mesma forma que aconteceu com a anatomia, a matéria médica e a botânica ganharam uma nova perspetiva durante o Renascimento. O percurso das duas disciplinas apresenta muitos pontos comuns. Até cronologicamente: a obra mais emblemática da botânica renascentista, a De Historia Stirpium de Leonhard Füchs (1501-1566), foi impressa na mesma cidade de Basileia que o livro de Vesalius, precisamente um ano antes. O movimento inicia-se com o interesse pelo estudo direto dos autores clássicos. As obras de Galeno, Dioscórides e Plínio encontravam-se disponíveis durante a Idade Média, mas o seu estudo era normalmente feito através de autores árabes, como o Canon de Avicena ou o Aggregator de Simplicibus de Serapião. As compilações elaboradas por estes autores apresentavam várias vantagens, como a síntese entre as complementaridades de Galeno e Dioscórides, dado que o De Simplicibus do primeiro discute a teoria das plantas medicinais mas não as descreve, enquanto a Materia Medica do segundo contém exatamente o oposto. A primeira obra botânica a ser alvo da atenção dos humanistas foi a de Teofrasto, aluno de Aristóteles praticamente desconhecido no Ocidente cristão. Os manuscritos das suas Historia Plantarum e De Causis Plantarum, foram obtidos a partir de um lote de manuscritos gregos trazidos de Constantinopla no início século XV e traduzidos por volta de 1450 por Theodorus Gaza para o Papa Nicolau V. Esta tradução foi impressa em 1483 e o texto grego em 1497. De um autor já bem conhecido, a Historia Naturalis de Plínio foi impressa em Veneza, em 1469.

Dioscórides foi impresso em 1478 (por P. d’Abano) e em 1512, seguindo uma versão alfabética medieval. A sua primeira edição em grego foi impressa em 1499 (por H. Roscius). A partir de 1516, este autor foi objeto de um grande número de edições, traduções e comentários. O veneziano Ermolao Barbaro (1454-1493), professor de filosofia em Pádua, embaixador e Patriarca de Aquileia, foi o autor da edição póstuma do Dioscorides… Medicinali Materia (Veneza, 1516), traduzida do grego para o latim. Jean de Ruelle (1474-1537), professor da Faculdade de Medicina de Paris, também foi o autor de influentes edições latinas de Scribonius Largus e Dioscórides (Paris, 1516). O mais destacado tradutor e comentador de Dioscórides foi o médico Pier Andrea Mattioli (1501-1577).

Neste movimento também participou o médico português Amato Lusitano. De seu nome João Rodrigues de Castelo Branco (1511-1568), dedicou grande atenção ao estudo da Matéria Médica de Dioscórides, em obras como o Index Dioscoridis (1536) e In Dioscoridis … Materia Medica… enarrationes (1553). As correções feitas por Amato a algumas traduções feitas por Mattioli levaram a uma violenta reação deste, acompanhada da denúncia das origens judaicas de Amato, que obrigaram o português a exilar-se de Ragusa (Ancona) para Salónica. A principal edição ibérica de Dioscórides foi a de Andrés Laguna (1511-1559), feita a partir da de Jean de Ruelle, intitulada Pedacio Dioscorides… Materia medicinal (Antuérpia, 1555). As obras de Galeno, em latim e grego, foram objeto de várias edições a partir de 1520.

 

Panel Heading

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui.