Serviços em Farmácia: o presente e o futuro dos cuidados de saúde de proximidade

Serviços em Farmácia

Na última década e meia a realidade das farmácias comunitárias tem mudado muito, por um lado através de grandes alterações legislativas e novas políticas na área do medicamento e, por outro lado, alterações socio-comportamentais dos utentes, novas tendências na saúde e novas políticas de gestão destas microempresas, de modo a adaptarem-se ao mercado e à atualidade.

Estas alterações levaram a que muitas farmácias tivessem de se adaptar rapidamente à nova realidade de gestão, tornando-se mais competitivas entre elas. Estas evoluíram na oferta de serviços, ficaram mais próximas das necessidades do utente, modernizaram-se e reduziram custos.

Embora alguns serviços fossem recorrentes há mais tempo, foi em 2007, que o Ministério da Saúde publicou a Portaria n. º 1429/2007, que definiu, pela primeira vez, o conjunto de serviços que as farmácias podiam prestar.

2 anos antes da pandemia por Covid-19, em 2018, foi publicada a Portaria n.º 97/2018, uma alteração que alarga os serviços farmacêuticos e outros serviços de promoção da saúde e bem-estar dos utentes que podem ser prestados nas farmácias comunitárias.

Por um lado, mantêm-se os serviços de apoio domiciliário, administração primeiros socorros, administração de medicamentos, utilização de meios auxiliares de diagnóstico e terapêutica, administração de vacinas não incluídas no Plano Nacional de Vacinação e programas de cuidados farmacêuticos.

A estes serviços, juntaram-se as consultas de nutrição, programas de adesão à terapêutica, de reconciliação da terapêutica e de preparação individualizada de medicamentos, assim como programas de educação sobre a utilização de dispositivos médicos.

As farmácias passaram a poder realizar testes rápidos para o rastreio de infeções por VIH, VHC e VHB (testes ‘point of care’), incluindo o aconselhamento pré e pós -teste e a orientação para as instituições hospitalares dos casos reativos, de acordo com as redes de referenciação hospitalar aprovadas e os procedimentos estabelecidos pelas entidades do Ministério da Saúde com competência na matéria.

O diploma consagrou também alguns serviços simples de enfermagem, nomeadamente:

  • Consultas de nutrição;
  • Testes rápidos para o rastreio de infeções por VIH, VHC e VHB;
  • Serviços rápidos de enfermagem, nomeadamente tratamento de feridas e cuidados a doentes ostomizados;
  • Cuidados na prevenção e tratamento do pé diabético.

Oficialmente, as farmácias passaram ainda a poder promover campanhas e programas de literacia em saúde, prevenção da doença e de promoção de estilos de vida saudáveis.

Os efeitos da pandemia

Com a pandemia, depois da reorganização dos primeiros meses, as farmácias foram fundamentais para o apoio de proximidade às populações, tendo passado, após algum tempo, a disponibilizar testes à população. Como em quase tudo, também os serviços de farmácia online, entrega em casa ou recolha em ponto de venda (sem fila), aceleraram muito a oferta digital pré-existente.

Os efeitos colaterais das grandes mudanças que o setor já enfrentava e, agora, por via da presente crise sanitária, tornaram fundamental centrar o serviço no doente, prestando os cuidados necessários com qualidade, proximidade e comodidade.

A farmácia comunitária deverá, no presente e no futuro, contribuir de forma ativa para garantir a continuidade dos cuidados e otimização dos tratamentos, maximizando o seu efeito para os doentes e para o sistema de saúde.

Saiba mais sobre a História da Farmácia aqui.

Panel Heading

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui.