Ano novo, pulmões novos: Deixar de fumar é possível

É uma das grandes decisões de ano novo na área da saúde para milhares de pessoas: deixar de fumar. O tabaco tem um impacto negativo altíssimo na saúde e a consciência sobre isso mesmo tem vindo a aumentar nas últimas três décadas.

Em Portugal 1 em cada 10 mortes é causada pelo tabaco. Estima-se que os fumadores vivam, em média, menos 10 anos que os não fumadores.

A Direção Geral de Saúde (DGS) lembra que o tabaco é a segunda principal causa de doenças cardiovasculares, sendo que o consumo e a exposição ao fumo representam cerca de 12% do total de mortes por doença cardíaca em todo o mundo. Trata-se da «epidemia global que mata mais de 7 milhões de pessoas por ano, dos quais cerca de 900 mil são não fumadores».

Os números não deixam margem para dúvida e esta é apenas a ponta do iceberg das péssimas estatísticas em torno do tabagismo.

 

Quais são os benefícios de deixar de fumar?

 Para além dos evidentes e imediatos para a saúde, carteira e para o futuro do fumador e família, a ciência assegura:

  • Após oito horas, os níveis de monóxido de carbono no organismo baixam e os de oxigénio aumentam;
  • Passadas 72 horas, a capacidade pulmonar aumenta e a respiração torna-se mais fácil;
  • Com cinco anos de abstinência do tabaco, o risco de cancro da boca e do esófago é reduzido para metade;
  • Ao final de dez anos, o risco de cancro do pulmão é já metade do verificado em fumadores, e o de outros cancros diminui consideravelmente.
  • Após 15 anos de abstinência, o risco de doença cardiovascular é igual ao de um não fumador do mesmo sexo e idade.

Começar, mas por onde?

Há cada vez mais gente com vontade de deixar aquele que é um dos vícios mais difíceis de ultrapassar. Mas não sabe como fazê-lo e vê imediatamente todos os fantasmas e dificuldades, sem conhecer estratégias e produtos que estão agora ao alcance de todos.

Um dos primeiros argumentos racionais e válidos tem que ver com a consciência de que o tabaco só tem um sabor agradável porque as tabaqueiras usam químicos que atenuam o sabor e irritação na garganta, tão ou mais perigosos que a nicotina. O tabaco tem 7000 químicos, pelo menos 70 implicados no aparecimento de cancro.

 

Uma caminhada de mil passos, começa com o primeiro:

  • Vontade férrea: não há volta a dar, deixar de fumar é difícil e todo o apoio psicológico nos diz que, por mais ajudas farmacológicas e psicoterapêuticas que se tenha, a decisão e a vontade são a base de tudo. É o que permite manter a tentativa e fazer a grande diferença entre quem consegue e quem falha.
  • Desistir é muito melhor que reduzir: está provado que a maioria não consegue reduzir e há uma explicação científica para tal. O tabaco causa dependência: o cérebro tem recetores de nicotina que são ativados apenas 10 segundos após inalar o fumo, dando a sensação de satisfação. Quanto mais estimulados, menor facilidade em largar os cigarros. 
  • Marque um dia: decida e marque um dia. Cumpra a promessa que fez a si próprio: deite fora todos os maços, isqueiros e objetos relacionados com o tabaco. Esconda os cinzeiros e comece com força e confiança.
  • Apoio de proximidade: informe a família, amigos e colegas de trabalho. Eles serão um apoio essencial para o ajudar nesta fase, nomeadamente ao início.
  • Contrariar todos os gatilhos: quem fuma tem normalmente hábitos muito específicos, como ir ao café depois de almoço e fumar, sair do trabalho ao fim da tarde, ou ao fim de semana, com colegas e amigos, beber álcool e fumar (muito) mais nesses momentos ou o simples e clássico cigarro “indispensável” após as refeições. É preciso fazer um esforço colossal e quebrar essas rotinas, mais ainda numa primeira fase. Evite saídas noturnas e ambientes propícios ao fumo. Faça uma caminhada de alguns minutos quando ia ao café, diminua o consumo de cafeína, teína, álcool e tudo quanto possa aumentar o seu nível de ansiedade e levá-lo a recair. Respire profundamente e se for preciso ocupe as mãos com canetas, bolas anti-stress e outras muletas para fugir ao vício de mão. Pastilhas para fugir ao vício de boca.

 

  • Comer melhor, fazer exercício e dormir: não é um mito dizer que quem deixa de fumar engorda e há muita gente que não o faz precisamente por isso. Deixar de fumar implica uma melhoria substancial no paladar e alterações no metabolismo. Quanto mais não seja, estes 2 fatores contribuem para o aumento de peso – fora o facto de muita gente transferir a ansiedade diária para a porta do frigorífico ou para o balcão da pastelaria. O que pode fazer – e já que está a procurar uma grande melhoria para a sua saúde – é aproveitar para se hidratar melhor, comer de forma mais saudável e iniciar atividade física, que é uma das ajudas mais determinantes que pode ter. Dormir 7 a 8 horas por noite vai também ajudar ao equilíbrio e a diminuir os níveis de stress, que quanto mais subirem mais perigosos serão para recaídas.  
  • Manter-se ocupado e ter novas distrações: faça caminhadas; inicie um novo desporto (exercício físico, dança, grupos de caminhada ou corrida serão fundamentais); comece novo hobby que há tanto tempo quer iniciar; passe tempo com não fumadores e frequente locais onde não se pode fumar.
  • Fuja de fumadores: tal como é normal precisar de fugir de ambientes com muito tabaco, é preciso, por vezes, fugir de fumadores… Não tenha vergonha de se afastar de quem fuma nos primeiros tempos. As pessoas que o rodeiam terão de compreender. E, sim, pode ser importante para conseguir. Todas as ajudas são poucas.
  • Vitória por fases: festeje as pequenas e as grandes vitórias, e compense-se com coisas que são verdadeiros prazeres para si. Perceba que é difícil, mas mantenha-se positivo e não se ligue à ideia de culpa ou de fracasso. As recaídas são naturais nestes processos, porque os recetores do cérebro têm muita facilidade em voltar a construir uma situação de dependência. Se tiver uma recaída, não desista: fixe uma nova data e recomece. A ideia é sempre “falhar melhor” até à vitória final.

 

Tratamentos

Os tratamentos convencionais combinam o apoio psicológico com substitutos de nicotina ou outros fármacos que ajudam a controlar a síndrome da abstinência. As medicinas alternativas, por outro lado, apostam nas terapias que compensam os desequilíbrios que estão na origem do tabagismo, como o stress e a ansiedade. Com bons resultados neste segmento tem-se destacado o tratamento via acupunctura.

Produtos que ajudam

Embora haja quem não precise de medicação, é inquestionável que estes processos são complexos e que é importante munir-se de toda a ajuda que existe, uma vez que os estudos nessa área confirmam que é mais fácil deixar com apoio.

Se quiser, pode começar por saber qual o grau de dependência física à nicotina, com o chamado Teste de Fargerstrom.

Depois pode procurar ajuda na farmácia ou junto do médico que o irá aconselhar sobre os diferentes medicamentos existentes no mercado, alguns de venda livre, e assim selecionar a melhor opção ao seu caso. Pode também ser encaminhado para consultas e programas de cessação tabágica, existentes em muitas unidades de saúde do país e também em algumas farmácias.

  • Pastilhas/gomas

Quando se sente necessidade de fumar, coloca-se uma pastilha na boca, mastigando-a ou deixando-a dissolver-se: lentamente, a nicotina vai-se libertando na boca e sendo absorvida pelo sangue. Enquanto se mastiga, apenas se pode beber água. 

  • Adesivo

Aplica-se na pele, limpa e seca, no braço ou no tronco, uma vez por dia, sempre à mesma hora, não se devendo voltar a usar o mesmo local durante uma semana. Através da pele, a nicotina passa para o sangue a um ritmo regular. Esta terapia deve prolongar-se por seis a doze semanas, sendo a dose reduzida gradualmente.

Ao iniciar a utilização destes métodos, deve parar de fumar pois existe o risco de uma sobrecarga de nicotina no organismo: a que é fornecida pelo tabaco e a que provém das pastilhas ou dos adesivos.

Além da terapia de substituição da nicotina, existem ainda métodos sem nicotina: 

  • Comprimidos de libertação prolongada

Sujeitos a receita médica, são a base do tratamento que dura sete a nove semanas. Grávidas e adolescentes não devem tomá-lo e é necessária muita precaução em idosos e doentes renais e hepáticos.

Mais saúde e mais dinheiro

A aparência renovada, o hálito mais fresco, o travar do envelhecimento precoce e a poupança financeira são fatores adicionais que podem ajudar na decisão. Um fumador que fume um maço por dia gasta sensivelmente 145 euros mês em tabaco e 1740 euros ano. Motive-se poupando essa quantia e faça uma ou várias viagens com ela, ou aplique-a, por exemplo, em poupanças importantes, não esquecendo também de oferecer um presente a si próprio pela sua resiliência e por tão grande conquista. Sem dúvida que estará a começar um ano bem melhor que os anteriores!

Panel Heading

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui.