Dia Mundial da Diabetes: o que a sua Farmácia pode fazer por si?

Diabetes

Mais de 537 milhões de adultos vivem com Diabetes. O Dia 14 de novembro tem como objetivo sensibilizar a importância de Diabetes e travar o crescimento imparável da doença. A data foi escolhida por ser o aniversário de Frederick Banting, o médico Canadiano que juntamente com o seu colega, Charles Best, conduziu as experiências que levaram à descoberta da Insulina, em 1921, precisamente há 100 anos.

Desde 1991 que o dia 14 de novembro é assinalado pela Federação Internacional de Diabetes (IDF: International Diabetes Federation) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como o Dia Mundial da Diabetes. Os novos números da IDF dizem que 1 em cada 10 adultos sofre de Diabetes, que se prevê que o número atinja os 643 milhões em 2030, que quase 1 em cada 2 adultos é doente e não está diagnosticado e que 4 em 5 doentes vivem em países de rendimento médio e baixo. O objetivo deste dia é também chamar à atenção da opinião pública e mesmo da classe política para a problemática da Diabetes.

A campanha do Dia Mundial da Diabetes tem sempre uma temática multianual. O tema do biénio 2021-23 é ‘Acesso aos Cuidados com a Diabetes’, uma vez que milhões de pessoas com Diabetes em todo o mundo ainda não têm acesso aos cuidados para a doença e que, paradoxalmente, a doença exige cuidados e apoio contínuos para poder ser controlada e evitar complicações maiores.

Para as organizações internacionais responsáveis, este centenário da descoberta da insulina é mais uma oportunidade de trazer mudanças significativas para tantos milhões que vivem com esta condição de saúde, e para tantos outros que se encontram em risco de a contrair.

Como definir a doença?

A Diabetes é a mais comum das doenças não transmissíveis, com elevada prevalência e incidência crescente. É uma doença do metabolismo dos açúcares, das gorduras e das proteínas que se caracteriza por haver níveis circulantes elevados de açúcar no sangue.

A Diabetes é uma doença em que existe excesso de um açúcar – a glucose – no sangue. A glucose é uma molécula que provém da transformação dos hidratos de carbono pelo nosso organismo e que é indispensável ao metabolismo das células do corpo como fonte de energia. A insulina é uma hormona produzida pelo pâncreas, responsável por ajudar a glucose (a forma mais primária da energia dos alimentos) a passar do sangue para o interior das células. A Diabetes ocorre quando o pâncreas não é capaz de produzir esta hormona em quantidade suficiente, e/ou quando a insulina não atua de modo eficaz.

Existem dois tipos de Diabetes principais:

Diabetes Tipo 1:

É a menos vulgar e surge, geralmente, na infância e na adolescência. As células do pâncreas deixam de produzir insulina.

Diabetes Tipo 2:

É a forma de Diabetes mais comum (9 em cada 10 diabéticos têm este tipo de doença). Associa-se frequentemente a excesso de peso e obesidade. Nesta forma de Diabetes, o pâncreas é capaz de produzir insulina. No entanto, hábitos alimentares e estilos de vida pouco saudáveis tornam o organismo resistente ao desempenho da insulina. A Diabetes tipo 2 tem aumentado de forma galopante em todo o mundo. Em Portugal existem cerca de 500 mil casos, estimando-se a existência de aumento anual na ordem dos 3%. É mais comum em pessoas com mais de 40 anos, mas devido à obesidade, é cada vez mais frequente entre os jovens.

Tratamento:

Os diabéticos de tipo 1 precisam de tomar insulina sempre, enquanto os diabéticos de tipo 2 necessitam de medicação de controlo, dieta alimentar e exercício físico adequados, precisando de insulina se apresentarem sintomas ou glicemias elevadas ou mal controladas.

A Farmácia de proximidade: o caminho mais curto para o controlo

As Farmácias comunitárias completam todo o circuito de assistência e apoio à pessoa com Diabetes, à sua família e aos seus cuidadores.

O autocontrolo é a capacidade individual de participar ativamente na gestão da doença, juntamente com a equipa de apoio (profissionais de saúde). É essencial não esquecer que a determinação da glicemia pode não ser suficiente – é necessário estar atento, e, se for preciso, fazer o registo dos valores e analisar a variação dos mesmos. Caso contrário, não é possível avaliar a evolução da doença e a eficácia da terapêutica.

A glicemia (quantidade de açúcar no sangue) varia consoante a hora do dia, a alimentação, o exercício, o stress e a dose de insulina administrada, pelo que, em alguns casos, pode ser preciso efetuar este controlo várias vezes ao dia. Habitualmente, é efetuado antes e duas horas após as principais refeições; antes, durante e após exercício físico intenso e na presença de sinais de hiperglicemia ou hipoglicemia.

Como é o teste?

Para medir a glicemia basta uma picada no dedo para colheita de uma gota de sangue cujo teor de glicose é depois medido por um aparelho próprio. Na sua Farmácia pode efetuar a medição com segurança e eficácia, beneficiando ainda dos conselhos do seu farmacêutico. Existe ainda um sistema que permite medir os níveis de glicose, em alternativa à picada no dedo, composto por um sensor que é instalado na parte posterior do braço, que aí permanece, e por um aparelho que permite a leitura rápida dos valores.

O farmacêutico deve questionar se o utente se encontra em jejum e quando foi a sua última refeição. O valor obtido é registado e deve ser analisado tendo em conta o historial clínico do utente, esclarecendo qualquer dúvida e/ou provisionando o aconselhamento necessário.

A glicemia mede-se em miligramas por decilitro (mg/dL), sendo os valores normais entre 70 e 100 mg/dL em jejum e inferiores a 140 mg/dL duas horas após a refeição (a denominada glicemia pós-prandial).

O importante é medir e manter os valores próximos dos recomendados: um objetivo que se pode alcançar fazendo as escolhas certas na alimentação e mantendo atividade física regular.

Não se esqueça: ainda sem cura, a Diabetes quando não controlada pode originar complicações graves a longo prazo.

Uma percentagem dos doentes com Diabetes tipo 2 não atinge as metas terapêuticas que lhe foram implementadas. Os estudos feitos nesta área apontam para uma relação direta com a fraca adesão terapêutica do doente em relação ao uso de fármacos antidiabéticos orais. Os estudos comprovam também que o aumento dessa mesma adesão farmacológica origina menos emergências médicas e menos admissão de doentes nos hospitais. Está descrito ainda, que o cumprimento da terapêutica representa uma diminuição de custos a nível da saúde pública.

Para ficar a conhecer outros artigos no âmbito da saúde, clique aqui.

Panel Heading

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui.