Industry Talks – Ricardo Oliveira, Diretor Geral da Organon Portugal

Ricardo Oliveira
  1. A Organon tem como foco desenvolver medicamentos na área da saúde feminina. Qual é a importância de existir uma companhia farmacêutica que olha especificamente pela saúde da Mulher?

É crucial para o desenvolvimento de respostas adequadas e atempadas para os problemas específicos da Mulher. Desde o primeiro dia, enquanto especialistas em  saúde da Mulher, que assumimos o compromisso de ouvi-las para melhor atendermos às suas necessidades de saúde, e desenvolver terapêuticas que melhorem a sua qualidade de vida.

E há tanto para fazer. Por exemplo, estima-se que 45% das gravidezes, em todo o mundo, não são planeadas, e que das 26 milhões de Mulheres que sofrem de fibromiomas uterinos, mais de 80% não são diagnosticadas nem tratadas. Já os problemas de fertilidade afetam um em cada sete casais.

Portanto, a nossa missão não poderia ser mais atual e importante – porque quando intervimos na Saúde da Mulher, estamos também a intervir nas Famílias e nas comunidades que integram e em que, frequentemente, são determinantes para o respetivo funcionamento e sobrevivência.

 

  1. Quais as dimensão do mercado português, na área da saúde da Mulher, que identificam terem mais necessidade de trabalho e onde pode a Organon aí contribuir?

A Organon trabalha atualmente com um portefólio de mais de 60 medicamentos e produtos de saúde, muito focado na Saúde da Mulher, com soluções para contracepção, fertilidade, cancro da mama (medicamentos biossimilares), doenças cardiovasculares, respiratórias, dermatológicas e do sistema nervoso central.

A nossa equipa conta com 60 colaboradores, que têm com uma vasta e multifacetada experiência e know-how, que estendem a sua intervenção e expertise até ao terreno, onde a nossa equipa de delegados de informação médica colabora e dá apoio a mais de cinco mil profissionais de saúde, como verdadeiros parceiros para a Saúde da Mulher.

 

  1. Estando numa fase de lançamento, que projetos tem a Organon para o futuro em Portugal?

O nosso objetivo é tornarmo-nos uma empresa farmacêutica de referência nas soluções para a Saúde da Mulher, com uma presença nacional e global cada vez mais significativa. O ano de 2021 marca o nosso nascimento enquanto empresa farmacêutica global e independente. Partimos de um forte posicionamento e acreditamos que teremos um crescimento sólido e sustentado nos próximos anos.

Estamos certos de que o nosso pipeline e a nossa atividade de investigação e desenvolvimento serão essenciais para o nosso crescimento e para a afirmação da Organon enquanto companhia global na Saúde da Mulher.

 

  1. Ter uma relação privilegiada com o canal Farmácia é fundamental. Ainda que com uma vida curta, de que forma a têm implementado, e como a perspetivam para o futuro?

Esta é uma das áreas que mais mobiliza a nossa atenção e compromisso. É consensual que, em Portugal, o canal Farmácia é uma porta de entrada no sistema de Saúde, e que os Farmacêuticos continuam a dispor, justificadamente, de uma muito positiva imagem junto dos Portugueses.

Trabalhar com as Farmácias é trabalhar com as comunidades, com os utentes, com todas as pessoas que confiam num serviço essencial e de forte e cultivada proximidade.

Estamos a intensificar cada vez mais o nosso trabalho com este stakeholder tão importante e precioso, tendo em linha de conta a individualidade de cada Farmácia e respeitando, assim, a individualidade cada comunidade – queremos ser verdadeiros parceiros.

 

  1. Em termos de inovação, quais as soluções a trabalhar nos próximos anos para poder sedimentar a presença e o posicionamento de mercado da Organon junto das Farmácias e dos consumidores?

Os desafios que se colocam às Farmacêuticas assentam muito na mais-valia da sua atividade de investigação e desenvolvimento, bem como na credibilidade e constante comprovação de eficácia e efetividade dos produtos estabelecidos.

A existência de muitas companhias focadas no desenvolvimento de novas soluções, ou no alargamento de indicações para as já existentes, tem de se guiar por um princípio básico – entregar valor. Este é o caminho fundamental que o futuro nos exige.

Quanto às Farmácias, a Indústria Farmacêutica deve ter um conhecimento claro da importância de todos os integrantes da cadeia de valor do medicamento. E, neste contexto, as Farmácias serão cada vez mais relevantes.

Aliás, a decisão de conceder acesso em Farmácia comunitária a algumas terapêuticas até aqui só acessíveis em meio hospitalar, numa lógica de proximidade, comodidade para os doentes e potenciação da adesão à terapêutica, comprovam bem o papel tão importante das Farmácias para o funcionamento e sustentabilidade do sistema de Saúde.

Contarão com a Organon nesta caminhada. É esta a nossa estratégia e é este o nosso compromisso.

Panel Heading

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui.