Pneumonia: Conhecer e prevenir

Celebra-se a 12 de novembro o Dia Mundial da Pneumonia, uma data estabelecida em 2009 como forma de alerta para esta doença ainda fatal para muitas pessoas no mundo inteiro, nomeadamente crianças.

A pneumonia é uma das principais causas de morte em menores de cinco anos, nomeadamente em países subdesenvolvidos, apesar de ser facilmente evitável e tratável. A principal forma de prevenir esta doença é a vacinação.

Como definir?

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão, causada, geralmente, por uma infeção, que afeta os alvéolos pulmonares (sacos de ar responsáveis pelas trocas gasosas). Pode ser causada por vírus, bactérias ou fungos e parasitas.

A doença pode ser leve, severa ou até mortal, dependendo da idade do doente e do seu estado de saúde.

Os sintomas de um doente infetado, de uma forma geral, são: febre, tosse, calafrios, dores musculares, de cabeça e articulares. No entanto a pneumonia não tem sintomas particulares, sendo que um doente infetado tem sintomas semelhantes aos de outras doenças do sistema respiratório, pelo que nem sempre é de fácil deteção.

Os típicos sintomas da patologia instalam-se geralmente de forma rápida e podem, ou não, existir todos ao mesmo tempo. Na maioria dos casos a evolução é benigna. A sua gravidade depende do agente responsável, da idade e do estado de saúde do doente antes do aparecimento da doença e da instituição de uma terapêutica adequada. Um diagnóstico precoce e um tratamento correto são essenciais para o sucesso do tratamento.

Principais causas

A pneumonia é causada pela penetração de agentes infeciosos no espaço alveolar, onde ocorre a troca gasosa, através de via aérea, dificultando a respiração.

A maior parte das pneumonias é adquirida através da aspiração de bactérias que existem normalmente na parte superior da nasofaringe e se tornam agressivas em determinadas condições.

Podem também surgir através de inalação de gotículas infetadas provenientes de outros doentes, como no caso das pneumonias virais. Em casos menos frequentes, a pneumonia surge após a inalação de gotículas infetadas a partir do meio ambiente ou de partículas infetadas com origem em animais. A poluição, o tabaco e os espaços muito densamente habitados são também fatores de risco para a pneumonia.

As pneumonias adquiridas no hospital são particularmente graves porque nos hospitais existe uma grande variedade de microrganismos, alguns dos quais muito resistentes aos antibióticos, e que podem causar pneumonia nos doentes internados por outros motivos. A situação é agravada pelo facto de muitos destes doentes terem outras doenças associadas ou estarem sujeitos a medicações que diminuem a sua capacidade de defesa.

Como se diagnostica?

A pneumonia é uma doença aguda, que pode ter evolução imprevisível e que requer tratamento imediato. Quando a doença for transmitida fora do hospital, qualquer pessoa se deve dirigir ao seu médico de família, médico assistente, ou a um serviço de atendimento urgente. É necessária uma avaliação inicial para determinar a escolha do local de tratamento que, na maioria dos casos (80%), será feito em ambulatório.

Se houver problemas subjacentes, doenças crónicas, ou se a evolução da pneumonia não decorrer de modo favorável nas primeiras 48 a 72 horas, pode ser necessário o internamento.

O médico pode suspeitar de pneumonia com base no historial médico do paciente ou num exame físico. Poderá fazer alguns ou todos os seguintes exames:

  • Exame físico com estetoscópio para auscultar os pulmões;
  • Radiografia ao tórax para confirmar a presença da doença e determinar a extensão e a localização da infeção;
  • Tomografia (ou TAC) para obter um exame de imagem com uma definição mais precisa;
  • Exames ao sangue e ao muco, para identificar o micro-organismo responsável pela doença;
  • Em casos mais graves, poderá estar indicada a colheita de líquido pleural ou a realização de uma broncoscopia;

Quais são os grupos de risco?

Há vários grupos sociais que sofrem risco particular. Nestes grupos incluem-se as crianças, cuja vacinação já está incluída no Plano Nacional de Vacinação desde 2015, e pessoas com mais de 65 anos de idade, em particular residentes em lares de idosos. Em risco estão também pacientes que sofrem de doenças crónicas: respiratórias, cardiovasculares, hepáticas, renais e diabetes. De salientar ainda pessoas com doenças que deprimem a imunidade e diminuem a resistência às infeções: pessoas sem baço, doentes infetados pelo VIH, doentes transplantados, doentes com doença oncológica ativa ou a fazer tratamentos oncológicos, doentes com imunodeficiências de vários tipos e situações similares. Contam-se também pessoas que vivem em instituições sociais ou lares e dependentes de substâncias tóxicas. Acresce o grupo dos profissionais de saúde.

 

Como se trata?

Na maioria dos casos, talvez mais de 80%, o tratamento faz-se em ambulatório não sendo necessário internamento. Este está indicado quando o doente apresenta outros problemas de saúde, quando a evolução da pneumonia não decorre de modo favorável nas primeiras 48 a 72 horas, quando ocorre um agravamento dos sintomas ou do quadro clínico ou quando surgem complicações.

O tratamento baseia-se em antibióticos, quase sempre por via oral, e outras medidas de apoio conforme necessário (medicamentos para a febre, tosse, etc.). Nas pneumonias virais, poderão estar indicados medicamentos antivirais.

 

Como se previne?

A pneumonia é uma das principais causas de morte em crianças menores de cinco anos, apesar de ser facilmente evitável e tratável. A principal forma de prevenir esta doença é a vacinação.

Outras formas de prevenção (comuns a outras doenças): 

  • Cuidado com as variações de temperatura: é mesmo essencial andar bem agasalhado, não é um mito social. É importante andar vestido consoante a temperatura dos ambientes em que se está – e andar vestido por camadas, para as poder colocar ou retirar. Não é bom sair de ambientes quentes como o escritório, o carro, o ginásio, etc., para a rua, mal agasalhado. Não esquecer as extremidades do corpo por onde escapa boa parte do calor, nomeadamente a cabeça.
  • Mantenha a distância social e use lenços descartáveis: não use lenços de pano porque contribuem para a disseminação da doença e tente o mais possível cobrir a boca, com o lenço ou com o antebraço, quando tossir ou espirrar. Não deve usar a mão por regra, mas se tiver de a usar lave-a assim que puder, e não a leve à boca, olhos, etc. Não respire para cima de ninguém, mantendo a distância social sempre que possível.
  • Evite lugares fechados, cheios, mal ventilados e poluídos: lugares com muita gente, como centros comerciais ou transportes em hora de ponta são desaconselháveis, uma vez que propiciam muito o aumento da disseminação do vírus. São de evitar ainda ambientes muito frios, secos ou húmidos, mal ventilados (areje sempre a casa e local de trabalho) ou poluídos que possam favorecer a transmissão de agentes causadores da pneumonia.
  • Ligue para a Linha Saúde 24: quando apresenta sintomas mais severos, não corra logo para as urgências por serem locais com muita gente infetada. Ligue primeiro e perceba se tem indicação para ir ou se pode ir a um centro de saúde, posto médico, etc. 
  • Coma alimentos ricos em Vitamina C ou ingira vitamina artificial: o ideal é fazer uma alimentação equilibrada sempre, mas nestas alturas, algumas frutas e vegetais ajudam a combater a doença e a possibilidade de a contrair. 
  • Hidrate-se: beba muitos líquidos: águas, chás, sumos, sopas, etc. Manter a hidratação corporal é importante para liquidificar as secreções e proteger as mucosas (nariz e garganta).
  • Lave as mãos com frequência: aumente o número de vezes que lava as mãos por dia, nunca esquecendo antes das refeições, quando vai ao WC, etc.  
  • Mexa-se: o exercício físico é importante para todos e fundamental para estimular o sistema imunitário, evitando gripes e constipações. Mesmo que não faça nada radical, caminhar 30 minutos por dia em passo acelerado, já ajuda.

Panel Heading

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui.